Too Good To Go recebe certificado B Corp que a reconhece como uma empresa que coloca o planeta em primeiro lugar

a month ago

O ano de 2020 começa com boas notícias para Too Good To Go (www.toogoodtogo.pt). A app líder na luta contra o desperdício de alimentos na Europa e empresa de impacto social, acaba de receber a sua certificação B Corp e anuncia também a expansão para os Estados Unidos, por forma a impulsionar a missão de reduzir o desperdício de alimentos no mundo.

Após uma avaliação rigorosa aos 14 países onde a Too Good To Go opera, a B Lab, organização europeia sem fins lucrativos, reconheceu que a empresa reúne uma série de padrões ambientais e sociais, que provam o seu compromisso com objectivos de impacto social nas áreas de Governo, Trabalhadores, Comunidade, Meio Ambiente e Clientes. A Too Good To Go é assim reconhecida, como um novo tipo de empresa que privilegia as pessoas, o ambiente e com um compromisso social que predomina sobre os benefícios económicos.

A B Corp é uma comunidade global de mais de 2600 empresas certificadas, de uma variedade de indústrias e dimensões, incluindo marcas conhecidas como Innocent, Patagonia, Alpro e Just Water. Actualmente, existem mais de 500 certificados B Corp na Europa e mais de 2600 a nível mundial. A Too Good To Go actualizou legalmente os seus artigos para incluir o compromisso com as práticas padrão da B Corp e junta-se assim à comunidade.

Mette Lykke, CEO da Too Good To Go refere “Ainda o ano passado, a Business Roundtable, composta por quase 200 CEOs das empresas mais importantes dos EUA, redefiniu a sua antiga declaração sobre responsabilidade corporativa, para reconhecer que o principal objectivo dos negócios, deve ser gerar valor para a sociedade e não apenas para os seus accionistas”. Lykke acrescenta ainda que “A acreditação B Corp é um selo poderoso que ilustra aos nossos usuários, parceiros e funcionários o tipo de negócio que somos - um com uma missão maior.”

Madalena Rugeroni, Country Manager da Too Good To Go em Portugal, comenta “O reconhecimento como uma B Corp é uma óptima forma de consolidar, quer para os nossos utilizadores, para os nossos parceiros e para os nossos colaboradores, o tipo de negócio que somos – uma empresa com impacto social. O objectivo principal dos negócios deve ser mais do que gerar valor para benefício próprio, mas sim ter valor para todos, e acreditamos que na Too Good To Go estamos no caminho certo”.

Luís Amado, representante do B Lab Europeu, em Portugal, afirma que “É com grande alegria e expectativa que vemos a Too Good To Go juntar-se à comunidade B Corp, que fica assim ainda mais forte. É um grande prazer acolher este projecto empresarial na comunidade B Corp Portuguesa. Acreditamos que a Too Good To Go será, sem dúvida, uma mais valia para a mesma no seio da qual esperamos que venha a crescer e usufruir de interacções e aprendizagens interessantes e valiosas. A Too Good To Go é um excelente exemplo de como as empresas podem contribuir de forma eficiente para mudar o mundo para melhor. Com o contributo da Too Good To Go seremos mais e mais fortes a mudar o mundo para melhor através do impacto das empresas.”

O salto para os Estados Unidos

Quatro anos após o seu ano de fundação, em 2016 na Dinamarca, e a operar em 14 países europeus, a Too Good To Go dá agora o salto para os EUA, para impulsionar a luta contra o desperdício alimentar.

Esta é a primeira expansão da marca fora da Europa, e o 15º país em que a Too Good To Go está presente. O arranque dá-se em Nova Iorque e em Boston, com o lançamento de uma campanha de recrutamento.

Por ano, os americanos desperdiçam 63 milhões de toneladas de alimentos, um custo de aproximadamente 160 mil milhões de dólares. O governo dos Estados Unidos propôs reduzir este número em 50% até 2030.

“Estamos muito felizes por anunciar que nos estamos a preparar para ajudar a combater o desperdício de alimentos nos Estados Unidos. Foi um longo processo para decidir onde, fora da Europa, poderíamos ter um impacto maior. Até 40% dos alimentos aptos para consumo acabam no lixo dos americanos, por isso sabemos que é um grande problema a resolver. Além disso, muitos dos nossos actuais parceiros também operam nos Estados Unidos. Vamos aplicar toda a nossa experiência na Europa, com ferramentas concretas para solucionar o problema, e levar o nosso movimento ao próximo nível” comenta Lykke.